Video De Sexo Amador Esposa Safada Comendo Esposa Vagabunda Com Ex-ficante Rio De Janeiro – Rj

2 min

Categoria:

Tag: , ,

visualizações

2 min

Categoria:

Tag: , ,

Video De Sexo Amador Esposa Safada Comendo Esposa Vagabunda Com Ex-ficante Rio De Janeiro – Rj

Video De Sexo Amador Esposa Safada Comendo Esposa Vagabunda Com Ex-ficante Rio De Janeiro – Rj

Ele queria que fizesse um filme erótico amador, onde ele seria o diretor e câmera, e eu seria sua atriz principal.

E eu pedi para ela ficar de quatro ela desceu da mesa se apoiou na mesa e ficou de quadro eu dei um tapa na bunda dela deu uma chupada na buceta dela e segurei na cintura dela e voltei a meter nela com vontade, puxando os cabelos dela, dando tapas na bunda dela e não demorou muito até que ela gozasse novamente após uns 15min comendo ela de quatro anunciei que iria gozar e tirei meu pau da buceta dela e gozei.

Aquele era justamente o dia que ele jogava bola então teríamos algumas horas para ficar juntos antes da esposa dar falta. Nao tenho palavras para descrever a sensação de ver minha esposa toda aberta e sendo possuida por um homem mais velho… e uma sensação indescritível… o video terminava com ela mais uma vez chupando o safado e levando gozo na boca… na mesma hora soltei o celular e fui pra cima de minha esposa transamos como nunca haviamos transado.

Ele entrou mascarado, com um shorts de futebol, sem camisa, de chinelo e foi logo dizendo:– Que tesão de puta gostosa!!!! Preciso de um banho prá te comer, mas levanta e dá uma voltinha pra eu te ver nessa roupa de biscate…Eu levantei e disse:– Depois você toma… quero te chupar agora!!!… já esperei demais…-Sua vadia deliciosa…Ele veio pro meu lado já tirando o shorts… Senti seu hálito de álcool quando ele veio beijar minha boca safadamente, enfiando a língua, mordiscando meu pescoço, com uma das mãos apertou meus peitinhos e com a outra mão puxava minha calcinha de lado pra ter acesso ao meu cuzinho, enquanto mordia e chupava meus mamilos, apertava a minha bunda, dava tapas e dizia que me queria de quatro… fiquei louca de tesão… ele estava cheirando suor mas mesmo assim agarrei seu cacete por cima da cueca, ainda não estava duro o suficiente.

Fui ao banheiro me molhei e voltei com a langerie colada e transparente, aflorando uma extrema sensualidade vagabunda. "Olá, meu nome é Rafael, moro no Rio de Janeiro e tenho 20 anos, moro aqui desde criança e com 18 anos comecei a namorar com uma menina chamada Paola, ela tinha 18 anos, morena clara, Cabelos longos até a cintura, peitos grandes, magrinha e uma bundinha empinadinha, Eu era louco pra comer ela, mas ela era virgem, ela me enviava fotos de calcinha, dos peitos dela, e só Estigava, eu não me contentava dela ao menos não pagar um boquete pra mim, ela tinha muito medo, pois usava aparelho, tinha medo de machucar, e só fica a dando beijos no meu pau. Levou uma semana para ela, entrar em contato com ele, uma eternidade presumo eu para ele, mais conversaram por uma semana sem se ver pela condução, ele disse não acreditar que um mulherão daqueles, difícil de esquecer, estava a conversar com ele e tinha dado bola pra ele, mais uma semana se passou e lá estava ela novamente sentada e adivinha quem senta ao seu lado todo simpático, ele mesmo o rapaz (Júlio – Nome Fictício), eles se cumprimentaram ele a beijou no cantinho da boca, neste dia ela usava vestido bege (com um racho na perna direita) e um sapato boneca preto de salto alto, estava mais gostosa do que nunca, cabelo preso rabo de cavalo, batom leve nude, o Júlio nem disfarçou quando a viu daquele jeito ela reparou o volume que formara em sua calça (Jeans, pasmem), o que a deixou muito excitada no momento, e la vai a mão boba alisando a cada balançar do ônibus, as pernas da minha esposa, que relaxou e aproveitou o momento, ao descerem ele a convidou para conversarem mais, pois no outro dia nem deu para conhece-la melhor, ela fez um charminho mais aceitou e ficaram conversando de bobeira até que em certo ponto ele a convidou a passar rapidinho na casa dele pois ele precisava pegar algo, (pretexto claro), para poder leva-la até lá para poder agarrar ela.